Incognia nomeia nova DPO e reforça seu compromisso com a privacidade e proteção de dados dos usuários

A nomeação reforça os valores e missão da Incognia, bem como seu real compromisso em adotar medidas que vão além do cumprimento da legislação, garantindo a aplicação de melhores práticas na proteção de dados pessoais.

No último dia 14 de julho a Gerente de Privacidade Dayana Caroline Costa foi nomeada como a nova Encarregada/Data Protection Officer (“DPO”) da Incognia, em substituição do então DPO Lucas Queiroz, CSO e co-founder da empresa.

Dayana será responsável por desempenhar as atividades de DPO determinadas no GDPR (Regulamento Geral de Proteção de Dados da União Europeia) e LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais do Brasil), bem como garantir que a Incognia continue atuando como referência no mercado de privacidade e proteção de dados, adotando as melhores práticas nacionais e internacionais sobre o tema e antecipando tendências: “O sucesso do nosso negócio é pautado não apenas na nossa tecnologia de alta performance e na alta redução do índice de fraudes nos aplicativos de nossos clientes, mas também em nosso compromisso com o respeito à privacidade de nossos usuários. Muito além de estarmos em conformidade com a legislação, nós genuinamente nos preocupamos com a proteção dos dados pessoais de nossos usuários e reconhecemos que o cumprimento de obrigações legais não necessariamente garante a privacidade do titular do dado. Em razão disso, estamos dispostos a adotar medidas que vão muito além da conformidade para efetivamente garantir a privacidade e proteção de dados dos nossos usuários”, destaca a nova DPO.

A privacidade é uma parte central da missão, cultura e valores da Incognia desde que a empresa foi fundada em 2010. Nossa tecnologia proprietária e premiada, presente em mais de 200 milhões de dispositivos globalmente, utiliza dados de localização e de dispositivo para realizar uma análise de risco altamente precisa em processos de onboarding, login,  validação de transações e de endereços, construindo um padrão de comportamento de localização único sem identificar diretamente o usuário. “Acreditamos que o valor da tecnologia é servir a humanidade e que as pessoas não devem abrir mão de sua privacidade para ter segurança. Nosso desafio diário é provar que é possível fazer uma revolução tecnológica com maior segurança no uso de aplicativos e menos fricção para os usuários sem, contudo, comprometer a privacidade e a proteção dos dados pessoais”, reforça a DPO.

A Incognia adota uma abordagem privacy-by-design em todas as etapas de desenvolvimento da solução. Nossa tecnologia é projetada para proteger a identidade das pessoas e impedir o acesso a informações que possam rastrear ou identificar diretamente um indivíduo. Assim, nós não coletamos quaisquer dados pessoais de identificação direta e aplicamos técnicas de criptografia e hash aos dados que possam de alguma forma possibilitar a reidentificação de um usuário, visando nos aproximarmos, cada dia mais, da completa anonimização desses dados.

Incorporamos privacidade em nossos sistemas, operações e arquitetura de forma holística e integrada. A privacidade é intrínseca à Incognia. Nossa tecnologia é pensada, construída e constantemente desenvolvida tendo a privacidade como base central, o que nos permite manter um Programa de Privacidade constantemente atualizado e realizar entregas de qualidade aos nossos clientes, reduzindo fraudes, gerando economia e primando sempre pela privacidade e proteção de dados dos usuários.

Mais recentes

Considerações sobre dados de localização, privacidade e consentimento explícito

Lucas Martins, CSO da Incognia, compartilha insights sobre garantir proteção de dados e privacidade para informações coletadas com objetivo de prevenir...

Perspectivas para a proteção de dados em 2022

Leia o texto escrito pela Dayana Costa, gerente de proteção de dados na Incognia, sobre os principais insights do webinar com a diretora da ANPD Nairane...

Mudanças na regra de KYC

Após as últimas alterações de políticas do Banco Central, o que temos de novo a respeito da coleta do endereço residencial dos usuários?